AS CONSEQUÊNCIAS DO USO INDISCRIMINADO DE METILFENIDATO PARA MELHORIA DO DESEMPENHO COGNITIVO EM ESTUDANTES

Autores

  • Jheniffer Alves Flores
  • Gabriela Miranda Fabris
  • Maria Eduarda Miranda Fabris
  • Fidel Benaia Moro do Nascimento
  • Vanessa Britto Zafra

Resumo

Introdução: A “atenção” é definida, pelo dicionário Oxford Languages, como a “capacidade do indivíduo em focar sua atividade mental sobre um objeto determinado”, dessa forma, refere-se a necessidade do indivíduo em filtrar as informações do ambiente em que está inserido, a partir da habilidade de focalizar nos elementos relevantes do meio. Além disso, a hiperprosexia pode proporcionar uma redução importante da capacidade do aprendizado. Sendo assim, em casos selecionados pode existir a necessidade de intervenção medicamentosa. Destaca-se, nesse caso, as anfetaminas, estas são utilizadas para otimizar a capacidade cognitiva nos indivíduos com dificuldade de manter de forma efetiva e contínua a concentração, condição denominada Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Deste modo, um dos principais fármacos aplicados como estimulante do sistema nervoso central (SNC) para otimizar a atenção é o Cloridrato de Metilfenidato. Este fármaco estimula receptores alfa e beta-adrenérgicos como mecanismo de ação, ocasionando a liberação de dopamina e noradrenalina dos terminais sinápticos centrais e, por consequência, proporciona incremento do aprendizado e de habilidades físicas e psicológicas. 1 Sob esta condição, o metilfenidato é um medicamento atrativo para indivíduos saudáveis que anseiam por melhoria do desempenho acadêmico.1 Todavia, o uso irrestrito do psicoanaléptico, principalmente em pacientes sem indicação de uso, causa estímulo constante da via dopaminérgica, desregulando a via de recompensa do encéfalo e propiciando o indivíduo à tolerância e adicção ao medicamento, tornando os suscetíveis a abuso e dependência desta substância.1 Dessa maneira, desencoraja-se a utilização deste medicamento como uma ferramenta de fomento das habilidades intelectivas em pessoas sadias e este uso inadequado configura-se uma questão de saúde pública. Objetivo: Este trabalho tem por objetivo avaliar os impactos descritos em literatura do uso irregular de medicamentos à base de Cloridrato de Metilfenidato e as consequências fisiológicas que configuram esta prática como uma questão de saúde pública. Metodologia: Para este artigo de revisão fez-se a utilização bibliográficas de artigos publicados em revistas eletrônicas científicas e na base de dados Scientific Electronic Library Online (SCIELO), Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e PubMed. Descrição: Ocorreu um grande avanço na neurociência a partir da década de 50, especialmente, na psiquiatria, no qual tratamentos revolucionários têm surgido em prol de proporcionar melhorias na qualidade de vida do enfermo.11,12 Em destaque cita-se o metilfenidato, rotulado no mercado como um medicamento “milagroso”, capaz de potencializar o desempenho cognitivo, pois proporciona aumento da concentração, atenção, memória e diminuição do sono. Sendo uma importante ferramenta para tratamento de TDAH.3 Devido a evidente melhoria no desempenho cognitivo, este acaba sendo destaque para profissionais e estudantes que buscam otimizar sua performance.2,3 Esse psicoestimulante tem a capacidade de diminuir a necessidade de descanso, aumentar o estado de alerta e aumentar a disposição.2,3No entanto, a preocupação está sobre o uso indevido da medicação visto risco de abuso e dependência, bem como possíveis efeitos adversos como taquicardia, hipertensão, vertigem, cefaléia, vômitos, diarreia, hiporexia, perda de peso, algia abdominal, alterações hormonais e transtornos psiquiátricos.3 Ademais, a interrupção abrupta deste fármaco pode causar sintomas de abstinência surgindo disforia, insônia, fadiga, hiperatividade, além dos sintomas já mencionados. Percebe-se, nitidamente os potenciais riscos da utilização do fármaco indiscriminadamente ou sem prescrição médica.2,3 Considerações finais: Em virtude do exposto, considera-se que o metilfenidato e seus análogos são neuroestimuladores potentes que inovaram a abordagem das alterações psiquiátricas, porém, o seu uso de forma indiscriminada e inadequada é prejudicial e um problema de saúde pública. Dessa maneira, a classe das anfetaminas deve ser consumida com cautela, a partir de avaliação e prescrição médica especializada. Palavras-chave: Metilfenidato, desempenho acadêmico, efeitos adversos.

Downloads

Publicado

2022-11-29

Como Citar

Flores, J. A., Fabris, G. M., Fabris, M. E. M., Nascimento, F. B. M. do, & Zafra, V. B. (2022). AS CONSEQUÊNCIAS DO USO INDISCRIMINADO DE METILFENIDATO PARA MELHORIA DO DESEMPENHO COGNITIVO EM ESTUDANTES. Anais Da Mostra Científica Do Programa De Interação Comunitária Do Curso De Medicina, 5. Recuperado de https://periodicos.univag.com.br/index.php/picmed/article/view/2128