ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS COM COMPLICAÇÕES SISTÊMICAS NO ESTADO DE MATO-GROSSO

Autores

  • Henrique Geller
  • Ayla Catarina Scalco
  • Caio Leonardo dos Santos Saggin
  • Ilmar Silva e Sousa Filho
  • João Gabriel de Perboyre Bonilha
  • João Vitor de Figueiredo Costa Maluf
  • Luís Fernando Bozeli Filho
  • Mariana Torres

Resumo

Neste estudo foi observado, entre os anos de 2012 e 2021 (10 anos), 311 casos de acidentes por animais peçonhentos - envenenamento causado pela inoculação de toxinas, através de órgãos inoculadores (presas ou ferrões), podendo determinar alterações locais e sistêmicas1– que tiveram complicações sistêmicas). Em relação ao agente etiológico envolvido, os dados colhidos não dissecam o grupo das serpentes entre os acidentes (botrópico; laquético; crotálico; elapídico) – em grande parte vezes a espécie só é identificada pelo médico após avaliação clínica1. De tal forma, esse grupo de patologias (acidentes ofídicos, escorpionismo e araneísmo) é de notificação compulsória, com prazo de encerramento em até 60 dias – 10 para casos leves/moderados, sendo disponibilizado pela rede do Sistema Único de Saúde (SUS) os soros para tratamento Palavras chaves: Picada de serpente; Epidemiologia; Choque.

Downloads

Publicado

2022-11-29

Como Citar

Geller, H., Scalco, A. C., Saggin, C. L. dos S., Sousa Filho, I. S. e, Bonilha, J. G. de P., Maluf, J. V. de F. C., … Torres, M. (2022). ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS COM COMPLICAÇÕES SISTÊMICAS NO ESTADO DE MATO-GROSSO. Anais Da Mostra Científica Do Programa De Interação Comunitária Do Curso De Medicina, 5. Recuperado de https://periodicos.univag.com.br/index.php/picmed/article/view/2170